estrela azul, uma leitura de “Só garotos”, de Patti Smith

estrela azul, uma leitura de “Só garotos”, de Patti Smith

Será que é possível viver de arte e respirar como se tudo fosse um sonho prestes a se revelar? Ser artista é criar algo que ninguém pode ver? À procura de si e do universo que ainda queria conhecer, Patti Smith nos presenteou com a escrita poética e honesta de Só garotos.

Nessa obra, ela relatou o seu encontro com Robert Mapplethorpe, com quem dividiu a vida, o teto, a ternura, os sonhos, a voz e tudo o que carregava de mais profundo em seu interior.

Comecei a ler o livro por ter sido uma proposta de leitura do mês do clube #LCentreestantes e, logo nas primeiras páginas, me apaixonei completamente. Sem dúvidas, ele se tornou um dos meus livros preferidos e, por isso, pretendo ler mais outras vezes.

Ainda não havia lido nada de Patti e foi uma experiência tão transformadora que fiquei me perguntando o porquê de ter demorado tanto, mas acredito que aconteceu exatamente no tempo certo.

a estrela azul

A escrita da obra autobiográfica foi uma promessa que Patti fez a Robert, pouco antes dele morrer. Diante de suas memórias afetivas, a artista reuniu imagens, retratos, poesias, referências de vários artistas incríveis, músicas e bilhetes realmente inspiradores para além do espaço-tempo.

Com isso, ela conseguiu contar a história de sua vida, do seu encontro e relacionamento com Robert – que a salvou de várias formas, do seu amor pela arte e dos percalços que percorreu para conquistar os seus sonhos, dos meados dos anos 60 e 70 em Nova York e, especialmente, da estrela azul:

“Saímos para caminhar à noite. Às vezes conseguíamos enxergar Vênus acima de nós. Era a estrela dos pastores e a estrela do amor. Robert a chamara de nossa estrela azul. Ele costumava fazer o t de Robert como uma estrela, assinando em azul para eu me lembrar.”

Só Garotos, de Patti Smith. Companhia das Letras, 2010.

só garotos

A escrita de Patti é tão linda, que é até desafiador falar sobre o livro. Por meio da leitura, é possível se encantar com a visão de mundo da autora e o universo que ela compartilhou com Robert, as transformações que eles passaram e suas lutas internas e externas.

É emocionante e inspirador perceber tudo o que eles queriam ser e viver, e o quanto eles foram vários ao longo de sua jornada pessoal, afetiva e artística.

Cada capítulo dessa obra, pra mim, foi como uma vela que você acende para perfumar e aquecer todo o espaço, deixando aquela sensação boa de nostalgia, conexão, afeto e harmonia.

“Em um dia de veranico vestimos nossas roupas favoritas, eu com minha sandália beatnik e uma velha echarpe, e Robert com suas amadas miçangas e o colete de ovelha. Pegamos o metrô até a West Fourth Street e passamos a tarde na Washington Square. Tomamos café de uma garrafa térmica, vendo grupos de turistas, gente chapada e cantores de folk. Revolucionários agitados distribuíam panfletos contra a guerra. Enxadristas atraíam uma multidão à parte. Todos coexistiam naquele zum-zum de diatribes verbais, bongôs e cachorros latindo.
Estávamos andando em direção à fonte, o epicentro da ação, quando um casal mais velho parou e ficou abertamente nos observando. Robert gostava de ser notado, e apertou minha mão com carinho.
‘Oh tire uma foto deles’, disse a mulher para o marido distraído, ‘acho que são artistas’.
‘Ora, vamos logo’, ele deu de ombros. ‘São só garotos‘.”

Só Garotos, de Patti Smith. Companhia das Letras, 2010.

Patti e Robert

Entre tantas palavras imagéticas, a leitura nos leva a diversos cenários: bares, trabalhos, exposições e, principalmente, ao Hotel Chelsea (que é praticamente uma personagem da história, e é um ponto de virada na vida de Patti e Robert).

Além do processo de se encontrar e expor a sua voz no universo artístico, a obra também revela a caminhada deles no início de sua vida adulta, abordando diversas temáticas, entre elas: solidão, liberdade, medo, incerteza, paixão, amizade, fé, sonhos, amor, música, fotografia, arte, literatura, rock, fama, propósito, dor e vida.

A conexão que tive com o livro foi tão grande que, ao perceber que já estava pertinho das últimas páginas, deixei ele de lado por um tempo ao lado da minha cama, como quem quisesse adiar a despedida por mais uns dias.

Eu me emocionei do início ao fim e me sinto extremamente grata por ter lido essa obra de Patti, em que muitas memórias foram retiradas do diário que ela escrevia com atenção e sensibilidade.

Se conselho valer pra alguma coisa, te aconselho a ler Só Garotos e se encantar com os detalhes preciosos que ele carrega em cada palavra e registro.

Obrigada por me acompanhar aqui! Abraços e até a próxima 💖

legado de afetos

legado de afetos

o gosto por ouvir, contar, ler e escrever histórias,

a atenção por cada detalhe da música que está tocando,

a contemplação das cores do céu,

a alegria pelo simples virar da tapioca na panela,

a habilidade e o amor por trabalhar com linhas e cores,

o coração cheio de luz e compaixão,

os ouvidos atentos para ouvir o que está ao redor,

a paixão por plantas e o cuidado com a hora do plantio e da colheita,

o cheiro de ervas e flores,

a gratidão por degustar comidas saborosas com quem a gente ama,

a calma ao andar pela rua,

a importância dada às pequenas coisas do dia a dia,

a força para enfrentar as diversas situações ds vida,

o amor por chás naturais, medicinais e quentinhos,

a risada fácil que contagia todo o corpo,

a simplicidade de tecer histórias e afetos,

e o carinho no olhar e no abraço

são algumas das coisas que você ensinou a mim e a quem lhe conheceu, vó Mazé.

a sua partida foi há 18 anos, mas a sua presença continua florescendo e dando frutos por aqui.

obrigada por tudo. ❤️