saudade pixelada

registro saudoso de janeiro de 2020, antes da pandemia

Entre tantas incertezas desses últimos meses, algo não deixa de brotar dentro do peito: a saudade do mar e de ficar mais pertinho da natureza. Sentar na areia pra admirar as ondas quebrando, enquanto o cabelo dança ao som do vento, é uma falta que tenho sentido mais a cada dia.

E então, revelar o filme da câmera analógica (que estava guardado há mais de um ano), com a Lab 8, e receber esses registros por e-mail foi como ganhar pequenos pixels de esperança em uma tarde – de lockdown – de domingo.

[para fazer essas fotos, usei a Olympus Trip 35 e o filme Kodak ColorPlus 200, na praia de Ponta Grossa, em Icapuí (CE)]:

essa foto me trouxe uma sensação tão boa: deu até pra ouvir o barulhinho que a água faz quando a gente caminha na beira do mar <3
além do mar e do meio do mato, minha outra maior saudade também tem nome: Rodrigo :’)
tentei registrar um dos casais que passou o ano novo de 2020 com a gente, Vitória e Txai
eu ainda não conhecia Icapuí, mas as paisagens naturais e cores de lá são algumas das mais lindas que já pude ver
lembranças de um dia bom (não sei descrever a emoção e o quentinho no coração que senti ao ver essas imagens)
finzinho de tarde ou aquela hora que o céu se pinta de mar e os dois bailam uma valsa até o escurecer

Tenho tentado trazer à memória o que me dá esperança, e as imagens e palavras estão me ajudando com isso. :’) Contar histórias e relembrar as singelezas da vida são algumas das preciosidades mais lindas que a fotografia faz, e isso me inspira a buscar a beleza do passar do tempo e fazer mais registros. Prometo tentar e compartilhá-los por aqui.

Agora, pra finalizar esse post, deixo uma poesia de Cecília Meireles. Espero que esses versos lhe toquem, com ternura, também.

Sou entre flor e nuvem,
estrela e mar.
Por que havemos de ser unicamente humanos, 
limitados em chorar?

Não encontro caminhos
fáceis de andar.
Meu rosto vário desorienta as firmes pedras
que não sabem de água e de ar.

E por isso levito.
É bom deixar
um pouco de ternura e encanto indiferente
de herança em cada lugar.

Rastro de flor e de estrela,
nuvem e mar.
Meu destino é mais longe e meu passo mais rápido:
a sombra é que vai devagar.

Obrigada, de verdade, pela sua companhia. Se cuida e até logo!

Deixe uma resposta